terça-feira, 2 de março de 2010

Crítica TV - Um Cordel pro BBB




PODERIA FICAR
SEM ESSA
NÉ "SEU BIAL"?...

É inegável a inteligência e competência do jornalista Pedro Bial. Também são notáveis a veia poética e a cultura desse profissional que construiu ao longo dos anos uma imagem de respeito junto ao público que sempre o tratou com admiração e carinho.

Eis que surge o Sílvio Santos copiando um programa estrangeiro - então, uma febre em todo o mundo chamado Big Brother - e lança no seu SBT a versão genérica local intitulada Casa dos Artistas. O formato era idêntico ao do reality show gringo, apenas com a diferença de ter artistas conhecidos, em vez de anônimos candidatos a celebridades entre os concorrentes confinados numa casa, num autêntico jogo de esforço, paciência, (in)tolerância, pirraça e enfrentamento.

O IBOPE bate alto. O SBT nocauteia o Fantástico já no dia do lançamento da Casa dos Artistas e nos domingos posteriores também. Pânico no Jardim Botânico. Nos corredores da Globo ouve-se a ordem: "Vamos lançar logo o nosso Big Brother, pois afinal de contas o direito de produzi-lo e exibi-lo aqui no Brasil é da gente!"

Correm contra o tempo, montam tudo em velocidade recorde e convocam um casal para a apresentação: a atriz Marisa Orth e o jornalista Pedro Bial são os escolhidos.

Completamente sem graça, meio que envergonhada, constrangida e achando-se uma orca entalada numa banheira, Marisa, lúcida e rápida, depois dos primeiros programas e em menos de uma semana, pulou fora, "vazou", pediu dispensa e foi bastante franca: "Não dá pra mim!"
Desejo resepeitado, a bomba ficou para o Pedro. E o Pedro não parou num "pára-pedro-pedro, pára". Pelo contrário. O Pedro continuou, caiu de cabeça, abraçou a idéia, vestiu à camisa e mergulhou fundo!

A Globo sacou sua metralhadora e tascou à zorra em série: rajadas de BBBs! : 1,2, 3, 4, 5, 6, 7, 8... 9 e 10! Dez edições! Dez sem sair de cima! Viagra televisivo, Ecstasy de IBOPE! Haja fôlego!

E tome celebridades instantâneas alimentando seções do Paparazzo e capas da Playboy e afins. E era um tal de "bambam, didi, tonton, sol, manu,leka,pink,domini" e o diabo a quatro!

Muita gente viu incompatibilidade no conteúdo da atração com a capacidade, perfil e biografia do apresentador. Algo como Chico Buarque passar a compor funks pornográficos, participando das festas nos salões da folia com direito a dançar "Créééééu!"

Mas o Pedrão aguentou. Pisou fundo e tá lá, resistindo...
Uma pena, mas conseguiu sobreviver. E o pior: associou sua imagem ao programa. Viraram gêmeos siameses. Mas do que isso, viraram uma coisa só. Um BPB - Um Big Pedro Bial. Ninguém pode imaginar mais o programa sem a sua ("lá dele") cara.
Dos rincões de Santa Bárbara-BA chega uma providencial e afiada - como peixeira de cangaceiro - crítica ao programa e claro, ao Bial. Que como vimos, mixou sua imagem - algo como como um pacto maldito - ao programa.

O Autor é Antonio Barreto. Lamento Pedro, mas quem mandou você virar Pedro BBB?...

Leiam:

Curtir o Pedro Bial / E sentir tanta alegria
É sinal de que você / O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal / É preguiçoso mental
E adora baixaria.
Há muito tempo não vejo / um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo / Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar / Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.
Me refiro ao brasileiro / Que está em formação
E precisa evoluir / Através da Educação
Mas se torna um refém / Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.
Em frente à televisão / Lá está toda a família
Longe da realidade / Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente / Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.
Cuidado, Pedro Bial / Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador / Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis / Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.
O seu pai e a sua mãe, querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis / E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar / Pra manter e te educar
Com esforço especial.
Muitos já se sentem mal / Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes / Se enchem de calafrio
Porque quando você fala / A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.
Um país como o Brasil / Carente de educação
Precisa de gente grande / Para dar boa lição
Mas você na Rede Globo / Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.
Respeita, Pedro Bienal, / Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada / E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco / Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.
Enquanto a sociedade / Neste momento atual
Se preocupa com a crise / Econômica e social
Você precisa entender / Que queremos aprender
Algo sério – não banal.
Esse programa da Globo / Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre / Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza / A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.
A moral e a inteligência / Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam / Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética / Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.
Não se vê força poética / Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade / Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente / É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.
Talvez haja objetivo,“professor” Pedro Bial,
O que vocês estão querendo / É injetar o banal
Deseducando o Brasil / Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.
Isso é um desserviço / Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança / Educação e atitude
Porém a mediocridade / Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.
É grande o constrangimento / De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso / Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina / A gastar adrenalina
Nesse mar de palhaçadas.
Se a intenção da Globo / É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente / Refém do seu poder,
Pois saiba que a exceção (Amantes da educação)
Vai contestar a valer.
A você, Pedro Bial / Um mercador da ilusão
Junto à poderosa Globo / Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor: Reflita no seu labor e escute seu coração.
E vocês caros irmãos / Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações / Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo / Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.
E quando chegar ao fim / Desse Big Brother vil
Que em nada contribui / Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade: Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.
E saiba, caro leitor / Que nós somos os culpados
Porque saem do nosso bolso / Esses milhões desejados
Que são ligações diárias / Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.
A loja do BBB vendendo só porcaria / Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade / Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia. / Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol, baixaria e carnaval.
Queremos Educação / E também evolução
No mundo espiritual.
Cadê a cidadania / Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos / Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados e vamos ficar calados
diante de enganadores?
E Barreto termina assim alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco /
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração / Tomando uma decisão
Ou, então, siga, animal…

FIM

Salvador, 16 de janeiro de 2010

5 comentários:

manosantto disse...

Concordo contigo meu camarada. Este exemplo é bom para entendermos que ser erudito não torna o indivíduo um poço de virtudes. Ele tem a capacidade de repetir coisas que aprendeu, mas não o faz capaz de entender uma série de coisas que aprendeu, apenas repete, pois se assim fôsse verdade ele não se submeteria a esta imbecilidade que é o BBB, ou seja, ele é conhecedor da cultura, mas não se mostra inteligente.
hehe
Axé...

movimentovamosadotarumcao disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
movimentovamosadotarumcao disse...

Realmente Paulo, o Bial virou referência concreta do BBB, mas segundo dizem, ele está ganhando com isso, pois recebe dos patrocínios uma bolada. Ou seja ela comprou a marca BBB da Rede globo, e já dá pra entender: haja grana no bolso dele.
Agora prefiro ele a Brito Jr e a Fazenda. Pelo menos ele dá um toque de cultura/intectualidade nos moldes bem brazuca (não vai poder ir muito além disso, por causa da "massa dos ignorantes" metidos a saber das coisas). É uma Pena ele jogar fora com fequencia seus conhecimentos em coisas assim.

ladyneide disse...

Barreto, PARABÉNSSSS!!!!!!!!!!

'plac, plac, plac'...

agora me diga, onde eu assino?!

Carinhoso abraço!

Asley Gomes Pimenta disse...

Achei ótimo, porém discordo. O BBB é ótimo para que as pessoas entendam as outras. Pedro Bial achou alí não só uma forma de ganhar dinheiro como também de estudar a mente/ atitudes humanas, juntou o útil ao agradável e isso é ser inteligente. Se despir-se moralmente para uma nação mostrando suas qualidades e defeitos não é ser herói então que todos botemos nossas caras para que batam, cuspam e façam delas o que bem quiserem... No BBB o povo brinca de deus e diabo, de pai e carrasco e faz o juízo final, cada um valorizando seus principios e valores. Um paredão pode ser além de quem sai e quem fica, para quem pensa grande pode ser uma enquete para entender o que o povo valoriza e tanto mais.
É só não limitar-se e abrir a mente, na vida tudo tem seu valor e pode ser transformado em aprendizado (o que precisamos, né?). O BBB para os "boys" e "girls" força esse convivio de pessoas com culturas diferentes apesar da mesma nação e acredito que forçar respeito com o proximo é uma grande evolução.